Véritas dá a Dica


Dicas de Financiamento

Quem pretende financiar um imóvel pode providenciar a documentação básica antes mesmo de ir a qualquer Instituição. Embora outros papéis possam ser requeridos de acordo com cada caso e instituição financeira, há exigências comuns para todas as instituições:

- Carteira de Identidade ou outro documento oficial de identificação que informe o nome dos pais. Além do original, uma cópia;
- CPF, original e cópia, ou documento oficial original que tenha o número do CPF;
- Comprovante de estado civil, cópia e original;
- Comprovante de rendimentos, original e cópia;
- Certidão Conjunta Negativa de Débitos relativos a Tributos Federais e Dívida Ativa da União ou Certidão Conjunta Positiva com Efeito de Negativa de Débitos relativos a Tributos Federais e Dívida Ativa da União, disponíveis no site da Receita Federal;
- Quem deseja usar o dinheiro do próprio FGTS para dar de entrada no imóvel vai precisar de mais documentos, como carteira de trabalho e extrato do FGTS.

 - Etapas do financiamento
O caminho básico até o financiamento de um imóvel envolve os seguintes passos do candidato ao crédito:

- simular as taxas para cada tipo de financiamento no site das instituições financeiras. Os bancos de varejo, públicos e privados, têm simuladores que podem ajudar o comprador;
- preencher os cadastros e fichas, com informações pessoais e de renda, exigidos pela instituição escolhida;
- se o cadastro for aprovado pelo banco, o cliente recebe a carta de crédito solicitada;
- Após carta de crédito, o cliente receberá da Véritas uma relação de outros documentos e formulários que precisará ser entregue à instituição.

 - Pesquise a melhor taxa
A melhor saída para quem pretende financiar um imóvel é consultar todas as opções possíveis e saber qual o menor preço do mercado, que servirá de base para negociações.

Há linhas de crédito específicas para a casa própria disponíveis em praticamente todos os bancos de varejo do país. As opções variam de acordo com o perfil de cada comprador: renda, percentual a ser financiado e valor do imóvel.

- Possui o dinheiro da entrada?
Juntar uma boa reserva inicial é a melhor maneira de garantir taxas de juros e prazos menores em um financiamento imobiliário.

Quem se encaixa nesse perfil tem liberdade para encontrar bons negócios em imóveis usados, novos ou na planta.

 - Como usar o FGTS
Na hora de planejar o financiamento, lembre-se do FGTS: ele pode ser o maior aliado de quem quer reduzir o prazo e as taxas de juros no crédito imobiliário.

A maneira mais tradicional e conhecida de usá-lo é como entrada do imóvel. Pode, no entanto, também ser usado para quitar parcelas (atrasadas, inclusive) ou reduzir o saldo devedor do financiamento do mesmo imóvel mais de uma vez, desde que haja saldo disponível - mesmo que o FGTS já tenha sido usado na entrada.

 - Taxas a pagar
Confira as taxas que, muitas vezes, são cobradas no financiamento imobiliário sem aviso prévio:

- Taxas de consultoria/assessoria imobiliária
Aa Sati (Serviço de assessoria técnica imobiliária), é uma taxa cobrada geralmente para execução de toda parte burocrática do processo. Esta taxa é cobrada, geralmente na assinatura da escritura, após feito todo trabalho.

- Documentação
A documentação é uma parte do processo importantíssima, que não pode ser ocultada do Cliente. No ato da escritura, se faz necessário pagar taxas. São elas:
• Taxas da Instituição Financeiras (calculadas na hora, variam de acordo com valor do imóvel, renda, idade e outras questões);
• RGI (Registro Geral de Imóveis – taxa cartorária);
• ITBI (Imposto de transmissão de bens Imobiliários – taxa cartorária)
• Certidões Cartorárias, caso seja a primeira aquisição

 Fonte: Serviços especializados